Pesquisar este blog

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Exercícios Navais Sul-coreanos

Segundo a Rádio China Internacional, a Marinha sul-coreana encerrou ontem, dia 27 de maio, exercícios militares destinados a executar "busca e destruição" de submarinos.
Reunindo 10 embarcações da II Frota Sul-Coreana, os exercícios envolveram localização, interceptação e destruição de submersíveis.  Estes exercícios são uma resposta ao desaparecimento de 4 submarinos norte-coreanos desde o dia 26 zarparam de sua base e não foram mais vistos, e é a primeira missão deste tipo desde o afundamento da corveta Chenoan por um torpedo norte-coreano, segundo resultado de uma investigação internacional independente.
Os submarinos são do tipo Sang-O e têm especificações de: 300 toneladas de deslocamento, 35 metros de comprimento, 19 tripulantes e 4 torpedos ou minas.  Segundo o site Área Militar, eles derivam de um projeto iugoslavo para um submersível de pequeno porte destinado a operar no Mar Adriático.  Classificado como minisubmarino, em 2007 foi anunciado pelo Irã a construção de um modelo próprio em parceria com a Coreia do Norte.
Estas embarcações embora tenham pouca eficácia em mar aberto, são capazes de, em virtude de seu pequeno porte, encontrar refúgio bem próximos ao litoral e realizar missões de minagem ofensiva ou defensiva.  Porém, se localizados pouco poderão fazer diante dos sistemas de destruição à distância disponíveis tanto para a marinha do sul como para a U.S Navy.
Tanto na questão iraniana como na atual crise entre as coreias, estes submarinos podem ser uma ameaça potencialpara as marinhas num TO (Teatro de Operações). Segundo o site espada.eti.br, num exercício (Jogo de Guerra) em 2005, uma força naval norte-americana reunida num grupo expedicionário anfíbio cujo TO era o próprio Golfo Pérsico, apesar de sua superioridade, acabou em sua maior parte sendo afundada.  O general reformado Paul Riper foi indicado para comandar os "Vermelhos" e dispondo de muito menos navios e sofisticação, conseguiu ainda assim "afundar" um porta-aviões, dezesseis outros navios, dispersar a formação e eliminar milhares de marinheiros, no que foi classificado como "a pior derrota naval norte-americana desde Pearl Harbour".
Usando mensageiros para evitar a interceptação eletrônica, e fazendo bom uso da proteção costeira, além de ataques suicidas com aeronaves e embarcações pequenas - equipadas ou não com mísseis antinavio - o general Riper equilibrou a superioridade da Marinha dos EUA com os recursos que ele dispunha, quando esta investiu numa área estreita onde não podia usar plenamente aquela superioridade. Ou seja, ao invés de lutar "além do horizonte", a U.S Navy optou por lutar aproximada, onde um adversário determinado e criativo podia fazer muito com poucos meios.
Isso demonstra por que, a aparente supremacia naval norte-americana e de seus aliados sul-coreanos podem vir a ser contestadas pela ameaça dos Sang-O.

Postar um comentário