Pesquisar este blog

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Desenvolvimento Militar Chinês Recente

O almirante Robert Willard, Comandante do Comando do Pacífico, disse que o primeiro DF-21D um míssil balístico antinavio (ASBM) da China, agora tem uma limitada capacidade operacional e em breve estará totalmente operacional, o que ele afirma é um grave motivo de preocupação para os vizinhos da China e dos Estados Unidos.

No final de dezembro, Willard disse a um jornal japonês que, "o sistema de mísseis balísticos antinavio na China foi submetido a testes extensivos, ele agora tem capacidade operacional". Na entrevista, ele acrescentou que os chineses continuam a testar e desenvolver o míssil e, provavelmente, fazê-lo por mais alguns anos até que se torne plenamente operacional.
O ASBM é baseado na variante D de alcance médio do míssil balístico Dong Feng-21, que é conhecido no Ocidente como o Mod. CSS-5, de acordo com o relatório da Defesa dos EUA de 2010, sobre o Exército Popular de Libertação. "O míssil tem um alcance superior a 1500 km, está armado com uma ogiva manobrável e, quando integrado com comando e controle adequados, destina-se a fornecer capacidade para ataque de navios, incluindo porta-aviões, no oeste do Oceano Pacífico", disse o relatório. O míssil é apóia por uma rede de satélites, radares e veículos aéreos não tripulados que podem localizar navios e orientar a arma, que lhe permite atingir alvos em movimento, declarou um relatório do Instituto Naval dos EUA março 2009.

Viajando a cerca de dez vezes a velocidade do som, o míssil poderia atingir seu alvo em menos de dez minutos. Combinado com a energia cinética, o DF-21D tem uma ogiva suficientemente grande para desativar ou destruir completamente um super porta-aviões, informou o Departamento de Defesa. De acordo com o Instituto Naval dos EUA, os navios atualmente não têm meios de se defender contra um ataque com mísseis balísticos. No entanto, a Marinha dos EUA tem atualmente 21 navios equipados com mísseis Aegis, capaz de interceptar mísseis balísticos de curto alcance.
O desenvolvimento do ASBM parece ter começado após a Crise de 1995-1996 com Taiwan, quando a China disparou mísseis em torno de Taiwan, o que levou os Estados Unidos á enviar porta-aviões para a região. Agora, a China tem uma maneira de dissuadir tais grupos tarefa de entrar no Estreito.
Em agosto de 2009, uma fábrica de motores para o DF-21D foi concluída e em Novembro de 2009 um programa da televisão chinesa mostrava o novo ASBM. Ao invés esconder informações sobre o novo sistema, um monte de dados sobre o ASBM foram publicados nos últimos cinco anos. No entanto, nenhum comentário oficial da China foi divulgado.
Na semana passada Hong Lei, um porta-voz do Ministério da Defesa de Pequim, disse que o fortalecimento militar da China não era uma ameaça para qualquer país e foi importante na manutenção da paz no mundo, informou. A China tem muitas razões para desenvolver um míssil balístico antinavio, que é um poderoso dissuasor que poderia alterar o equilíbrio de poder em um conflito potencial. Seu uso seria em um cenário de conflito com Taiwan, sendo imprescindíveis para evitar que os Estados Unidos interviessem em caso de uma crise no Estreito de Taiwan, de acordo com a estratégia chinesa.

O ASBM, juntamente com outros desenvolvimentos militares da China, ameaçam mais de uma dezena de países em torno da China, do Afeganistão as Filipinas, segundo o Departamento de Defesa dos EUA. Em setembro de 2010, o secretário de Defesa Robert Gates, disse em um discurso que os investimentos da China em armamento anti-navio e mísseis balísticos poderia ameaçar de forma primária os Estados Unidos de projetar poder e ajudar seus aliados no Pacífico - em particular as bases avançadas e os grupos de porta-aviões." Ele reiterou essas declarações antes de uma visita à China nesta semana, dizendo que estava "preocupado com o desenvolvimento do míssil balístico antinavio desde que assumiu este trabalho", relata o Washington Post.
O ASBM da China é apenas mais uma arma no arsenal crescente do país. Um salto na uma década nos gastos de defesa e a produção de uma onda de novos mísseis, submarinos, aviões e em breve um porta-aviões”, disse o professor Huang Jing.
Na semana passada, o vice-almirante Jack Dorsett, chefe da inteligência da US Navy, disse que o Pentágono havia subestimado a velocidade em que a China estava se desenvolvendo no campo de mísseis balísticos anti-navio. Dorsett confirmou que o DF-21D tinha atingido a capacidade de combate inicial e confirmou que ele foi testado sobre a terra, mas que os EUA não tinham observado um teste sobre o mar.

Outro motivo de preocupação para os Estados Unidos foi a recente revelação do primeiro caça stealth chinês, o J-20. "Nós sabíamos que eles estavam trabalhando nos aviões stealth. O que temos visto é que eles talvez estejam um pouco mais à frente no desenvolvimento da aeronave do que nossa inteligência já havia previsto”, disse ao Washington Post nesta semana. Relativo à evolução chineses de armas, disse Gates, "ele claramente tem o potencial de colocar em risco as nossas capacidades. Temos de prestar atenção neles. Nós temos que responder de forma adequada em nossos programas”. Como resultado, o Pentágono está investindo mais em tecnologia de armas para combater o avanço dos chineses.
A evolução recente da China em armamentos, também é um motivo de preocupação para a África, a China continua a investir no continente, e os EUA se preocupam que a ajuda econômica conduzirá rapidamente a um envolvimento militar, de acordo com os dados divulgados pelo Wikileaks em novembro de 2010. De acordo com o Fórum de Cooperação China-África, a China sustenta que o comércio é responsável por 20% do crescimento econômico de África. O país asiático tem investido pesadamente em petróleo e minerais em países como Sudão, Congo e Angola. Cerca de um quinto do petróleo da China vem da África, segundo relatórios do Fórum. Só em 2009, as empresas chinesas investiram cerca de $ 56,5 bilhões dólares na África, de acordo com o Der Spiegel. A China também ampliou os empréstimos no valor de centenas de bilhões de dólares e enviou milhares de trabalhadores para o continente, que agora é o lar de quase um milhão de chineses. Programas de desenvolvimento da infra-estrutura maciços em estradas, hospitais, portos, aeroportos, ferrovias e estádios foram iniciados em toda a África, diz "Der Spiegel".
Quanto à presença militar chinesa na África, a China ficou em terceiro lugar nas vendas de armas para o continente Africano entre 2003 e 2006 e continua a fornecer armas para países Africanos (nomeadamente na Namíbia, Argélia, Nigéria, Egito e Congo). A China tem fornecido ao Sudão equipamentos militares em troca de petróleo. Ele entregou veículos blindados (MBT´s Tipo 59 e 69 e blindados Tipo 63), aviões a jato (FC-1, J-7 e treinadores K-8) para o Zimbábue, além de equipamentos antimotim e equipamento de interferência de rádio.
Embora a China não tenha presença militar na África, presta assistência militar, treinamento e assessoria técnica aos clientes Africanos e suas marinhas ocasionalmente. Entretanto, a influência militar chinesa está se expandindo com o crescente número de agentes e adidos de defesa da China, que vem aumentando a participação em operações de paz das Nações Unidas na África. A China mantém escritórios com Adidos militares na Argélia, Congo, Egito, Etiópia, Libéria, Líbia, Marrocos, Moçambique, Nigéria, Namíbia, África do Sul, Sudão, Tunísia, Zâmbia e Zimbábue.

Fonte: Defense & Professional

Tradução e Adaptação: Angelo D. Nicolaci
Postar um comentário