Pesquisar este blog

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Rafale e Typhoon Vencem Primeira Etapa da Concorrência Indiana

Qualquer pessoa, mesmo que não familiarizados com os meandros e complexidades dos contratos de defesa da Índia será muito ciente dos riscos envolvidos com os comentários sobre os resultados de uma competição importante lá antes do respectivo contrato ser assinado e entrar em vigor (bem como, em um número de ocasiões, mesmo depois disso). Mas mesmo com uma atitude de prudência, é hoje claro que o Dassault Rafale e o Eurofighter Typhoon foram selecionados como os dois finalistas do programa MMRCA concorrência para a aquisição (principalmente através de licença de construção) de 126 caças de última geração multi-função que envolve um investimento de bilhões de dólares.
Essa escolha implica, em princípio, obviamente verdadeiras e monumentais implicações políticas e estratégicas para o futuro do Brasil como um todo, tanto na medida em que implica na rejeição das propostas da Rússia (MiG-35) e mais especialmente as propostas americanas (F-16, F / A-18). Estas implicações certamente fornecem alimento para o pensamento de observadores e analistas durante muitos meses. Esta coluna é, contudo, focada em um aspecto não garantido, ou seja, que a escolha indiana nos fala sobre as respectivas características e desempenhos de alguns dos projetos do mercado de defesa, competindo uns contra os outros pelo mercado de defesa global.
A Força Aérea da Índia tem realizado um processo de avaliação extremamente rigoroso e detalhado dos competidores, testou extensivamente os seis concorrentes (Rafale, Typhoon, Gripen, Mig-35, F-16, F/A-18) e avaliá-los uns contra os outros em uma lista, que incluiu cerca de 650 parâmetros. É altamente duvidoso que qualquer força aérea do mundo já teve a oportunidade de realizar um processo semelhante, ganhando assim uma análise detalhada, conhecimento em primeira-mão dos respectivos pontos fortes e as deficiências dos melhores aviões de combate que o dinheiro pode comprar. E no final deste processo de avaliação tecnológica, dois projetos europeus surgiram como os melhores dos melhores.
O ponto chave a ser salientado aqui é que o Rafale e o Typhoon foram selecionados "por motivos técnicos e operacionais únicos", ou seja, antes mesmo de debates e negociações sobre preço, transferência de tecnologia e de deslocamento que estão para começar. Isso por um lado, implica que é perfeitamente viável que tais discussões e negociações eventualmente falhem, levando a competição a ser reaberta (daí a necessidade de uma atitude de prudência). Mas por outro lado, a conclusão é inescapável: os mais recentes e mais capazes caças europeus são muito superiores - em termos de design e desempenho global - sobretudo do que a indústria dos EUA atualmente pode oferecer. Eles são tão superiores, de fato, que, após ter testado as exigências do cliente o mesmo não se preocupou em perguntar o preço dos concorrentes americanos. E isto é assim, apesar de tanto o F-16 e F/A-18 ostentando a vantagem significativa de um indiscutivelmente mais avançado sistema de combate de maneira amadurecida, incluindo em sua parte superior uma segunda geração totalmente operacional do radar AESA contra os protótipos europeus.
Esta situação, com o Rafale e Typhoon sem reais exportações apuradas como os homólogos dos EUA, não tem nada a ver com as capacidades e o nível tecnológico das respectivas indústrias aeroespacial. Pelo contrário, é ligada à escolha do momento para o lançamento dos programas de desenvolvimento de aviões de combate de nova geração nos dois lados do Atlântico, bem como com a decisão dos EUA de ir para uma abordagem furtiva intransigente que, só devido ao brilhante sucesso desta tecnologia, esta deve permanecer exclusiva para a Força Aérea dos EUA.
A percepção de tal uma parte gera um significativo "fosso de capacidades comerciais", segundo o qual os EUA vão se tornando progressivamente menos e menos capazes de vencer uma competição com os europeus e mesmo os russos no mercado global de aviões de combate até que o F-35 se torne plenamente operacional e credível. Na verdade, surgiu uma dúzia de anos atrás, se não mesmo antes, e tem sido a principal razão para a decisão sem precedentes para o lançamento do programa JSF como um "projeto multi-nacional" - um trabalho não declarado, mas apenas com metas que demasiadamente tornam evidentes que drena recursos financeiros europeus que seriam investidos no desenvolvimento de projetos europeus, bem como atrair pelo menos alguns países a assumir um compromisso cego para eventualmente adquirir uma aeronave, de desempenho desconhecido e por um preço não especificado.
Mas nem todo mundo tem caído na armadilha do JSF, e ainda existem países em que a esquerda prefere selecionar seus novos aviões de combate depois de tomar um olhar muito de perto em sua primeira performance, antes de passar a discutir o preço. Os resultados (preliminares) da competição indiana do MMRCA diz ao mundo que, se você quer o melhor, e seus bolsos são profundos o suficiente, com o F-22 fora da briga e do F-35 ainda a anos de distância, você vai querer ir tanto para o Rafale como para o Typhoon. Os concorrentes são, para dizer o mínimo, uma segunda melhor escolha.
Seria muito interessante observar se esta mensagem repercutirá sobre as decisões de contratação de outros à frente - pelo menos nos países, que podem dar ao luxo de dizer "não, e obrigado" a Washington.
Fonte: Defense & ProfessionalTradução e adaptação: Angelo D. Nicolaci
Postar um comentário