Pesquisar este blog

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Casa Branca anuncia venda de armas à Arábia Saudita


English.news.cn 2011/12/30 01:12:46

WASHINGTON, 29 dez (Xinhua) - A Casa Branca anunciou na quinta-feira um acordo de grande venda de armas à Arábia Saudita no valor de cerca 29,4 bilhões de dólares.

"Os Estados Unidos e o Reino da Arábia Saudita assinaram um acordo de governo para governo, no âmbito do programa de vendas  para fornecer aviões de combate F-15sA avançadas para a Arábia Royal Air Force", informou a Casa Branca em um comunicado.

O acordo inclui a produção de 84 novas aeronaves e a modernização de 70outras  aeronaves existentes, bem como munições, peças sobresselentes, formação, manutenção e logística, de acordo com o comunicado.

"Este acordo reforça a relação forte e duradoura entre os Estados Unidos e a Arábia Saudita, e demonstra o compromisso dos EUA com uma capacidade forte de defesa da Arábia como um componente chave para a segurança regional", disse.

O acordo era parte de um pacote de venda de armas da administração Obama que foi anunciada a mais de um ano atrás. Em outubro de 2010, a Casa Branca informou que planejava vender 60 mil milhões de dólares de equipamento militar para a Arábia Saudita por 15 a 20 anos,e que seria a maior venda militar da história dos EUA.

O acordo surge durante a escalada de tensões na região do Golfo devido ao programa nuclear iraniano. Altos funcionários do Irã nos últimos dias ameaçaram bloquear o Estreito de Ormuz, uma rota de petróleo do mundo mais crítica, se suas exportações de petróleo forem objeto de sanções pelo Ocidente.

Altos funcionários dos EUA têm manifestado preocupações sobre a possibilidade da crescente influência do Irã na região depois que os EUA tiraram todas as suas tropas do Iraque neste mês.

A venda foi visto como o mais recente esforço da administração Obama para construir uma coalizão regional para combater o Irã. Com as munições novas, Arábia Saudita, um aliado-chave dos EUA em todo o Golfo Pérsico, seria capaz de expandir as capacidades existentes no país da força aérea.

A administração Obama teria também planejado a venda de armas a alguns outros aliados do Golfo. The Wall Street Journal informou no mês passado que os EUA planejavam vender milhares de avançadas bombas "bunker buster" e outras munições para os Emirados Árabes Unidos como uma forma de manter o Irã em cheque.

TAMBÉM:
EUA Planejam Aumento de Tropas no Golfo PlanejamentoA após a Retirada do Iraque: relatório
 
WASHINGTON, 30 out (Xinhua) - Os Estados Unidos planeja reforçar sua presença militar na região do Golfo depois que ele retira as tropas restantes do Iraque este ano, de acordo com uma reportagem publicada num jornal dos EUA no domingo.

Este reposicionamento planejado das tropas dos EUA poderia incluir a implantação de novas forças de combate no Kuwait, a fim de responder a um possível colapso da segurança no Iraque ou um confronto militar com o Irã, segundo o New York Times.

Os planos, em discussão há meses, ganharam nova urgência depois do anúnciodo  presidente dos EUA, Barack Obama, em 21 de outubro de retirar os soldados restantes dos EUA do Iraque até o final deste ano, em um movimento para cumprir sua promessa de campanha para terminar a oito anos guerra.

Mas a decisão de Obama despertou preocupações entre as autoridades militares e políticas dos EUA, bem comoem vários países da região do Golfo, que a retirada poderia deixar uma instabilidade ainda pior na sua esteira.

Assim, o Pentágono está agora elaborando um plano alternativo, que inclui o envio de mais navios de guerra para águas internacionais na região, além de negociações sobre a manutenção de uma presença combate terrestre no Kuwait, disse o relatório.

Com um olho no Irã, os Estados Unidos também estão buscando expandir os laços militares com as seis nações do Conselho de Cooperação do Golfo - Arábia Saudita, Kuwait, Bahrain, Qatar, Emirados Árabes Unidos e Omã.

A administração Obama e os militares dos EUA estão tentando promover uma "arquitetura de segurança" nova para o Golfo que iria integrar patrulhas aéreas e navais e de defesa antimísseis.

Em uma reunião incomum conjunta com o Conselho, à margem das Nações Unidas, em Nova York no mês passado, de Defesa dos EUA Secretário Leon Panetta ea secretária de Estado Hillary Clinton esboçou a proposta de estabelecer uma forte aliança de segurança multilateral com as seis nações, de acordo com o relatório.

O tamanho da força de combate americana que se espera ser baseada no Kuwait continua a ser o objecto de negociações, segundo o relatório, acrescentando que os planos de implantação bem-sucedida de décadas passadas podem ser incorporados aos planos para uma pegada pós-Iraque na região.

Durante o tempo entre a Guerra do Golfo em 1991 e a invasão do Iraque pelos EUA em 2003, o Exército dos EUA manteve, pelo menos, um batalhão de combate - e às vezes uma brigada de combate completa - no Kuwait durante o ano todo, junto com um enorme arsenal pronto para deve ser descompactado caso mais tropas dos EUA sejam enviadas para a região, disse o relatório.

Karl Horst, chefe de gabinete do Comando Central dos EUA, foi citado como dizendo que o comando estava se concentrando em formações menores, mas altamente capacitadas e de parcerias de formação com os militares regionais. Ele disse que os exercícios de treinamento eram "um sinal de compromisso com a presença, um sinal de comprometimento de recursos, e um sinal de compromisso na construção de capacidade dos aliados."

http://www.xinhua.org/english/
Postar um comentário