Pesquisar este blog

domingo, 11 de dezembro de 2011

Tensões se Acumulando

1º)Rússia Ameaça Bloquear Rotas de Abastecimento da OTAN
http://dinamicaglobal.blogspot.com/2011/12/russia-ameaca-bloquear-rotas-de.html

Rússia ameaça bloquear as rotas de abastecimento da OTAN até o Afeganistão, se a aliança militar ocidental seguir omitindo-se das preocupações de Moscow relacionadas ao escudo de defesa de míssil na Europa, liderado pelos Estados Unidos, segundo um informe recente.


O embaixador russo na OTAN, Dimitri Rogozin, advertiu que Moscow poderia revisar sua cooperação com a Aliança Atlântica no Afeganistão se a OTAN não cumprir com as objeções da Rússia no que se refere ao escudo, informou o Wall Street Journal de esta segunda-feira (29/Nov).

Na semana anterior, o presidente russo Dimitri Medvedev já tinha advertido que ações diretas seriam tomadas a respeito se as preocupações de seu país não fossem tomadas em consideração.

Medvedev considerando a possibilidade de atacar com mísseis Polônia, Romênia, Espanha e Turquia, como um meio para inutilizar as baterias anti-mísseis caso os Estados Unidos não reconheçam as preocupações dos funcionários da defesa russa.

A Rússia e as nações asiáticas centrais vizinhas aceitaram passar a provisão às tropas dos E.U.A. no Afeganistão pelos seus territórios, cortando uma dependência das rotas através do Paquistão.

Também, advertiu que o país implantaria armas nucleares em suas fronteiras com Europa para responder à situação.

A ameaça da Rússia de suspender as linhas de abastecimento da OTAN no Afeganistão coincidiu com sanções similares adotadas no sábado (27/Nov) pelo Paquistão, em represália à recente incursão aérea da Aliança, encabeçada pelos Estados Unidos contra as forças militares paquistanesas e onde morreram 24 soldados paquistaneses.

A OTAN começou a utilizar rotas mais seguras na Rússia para oferecer abastecimento a suas forças desde que Washington e Moscow restabeleceram relações diplomáticas melhores em 2009.

O governo russo sempre se opôs ao plano controverso da OTAN que consiste em implantar um escudo anti-mísseis na Europa, com o argumento de que este suposto sistema de “quintal” não tem a intenção de assegurar a Washington e seus aliados mas que está apontado efetivamente para a Rússia.

A OTAN explicando-se anunciou que o escudo anti-mísseis estava previsto para frustrar os ataques de “estados canalhas” e que seguiriam com o plano apesar das preocupações da Rússia.

Texto original em francês : La Russie menace de bloquer les routes de ravitaillement de l’OTAN 2011-11-29 : http://www.mondialisation.ca/index.php?context=va&aid=27939
Traduzido por Stéphanie Dehorter

2º)Rússia e China convidadas a 'tomar medidas defensivas' frente aos EUA-OTAN.



Jogos de guerra China-Rússia. foto: www.newsland.ru

Meios de comunicação chineses condenam os Planos de Guerra de EUA-OTAN. Convidam a Rússia e a China a "tomar medidas defensivas".

A China não é obrigada a sitiar o Irã.

O assalto recente da embaixada britânica em Teerã é um assunto muito menos sério do que foi o bombardeio mortal da embaixada chinesa em Belgrado pelos Estados Unidos e a OTAN em 1999.

A vingança retaliativa do Ocidente acesa por protestadores iranianos que assaltaram a embaixada britânica na terça-feira de 22 de novembro, provavelmente mergulhará o Irã em um abismo sem fundo na guerra.

Os países ocidentais exigem que a China siga o seu exemplo e esbofeteie o Irã com sanções. Como um membro permanente do Conselho de Segurança de ONU, a China não deve cumprir com o pedido. Em vez disso ela deve juntar mãos com a Rússia para ajudar a calmar a situação.

O Senado dos Estados Unidos aprovou sanções econômicas mais resistentes contra o Irã quinta-feira (24/Nov), jurando impor penalidade a qualquer instituição financeira que fizer negócio com o Banco Central do Irã. Conseqüentemente, outros países como a China, o Japão e a Índia são proibidos de conduzir o comércio de petróleo com o Irã.

Embaixo de uma conta tão arrogante, é difícil imaginar como os Estados Unidos emprestariam dinheiro dos bancos centrais dos seus credores para compor o seu orçamento deserto no futuro. A necessidade chinesa não lhe presta atenção.

A incursão à Teerã merece a condenação, mas não necessariamente constitui a subversão de uma nação. Aqui está outro caso. Embora as suas forças tenham bombardeado um dos postos militares avançados do Paquistão na semana anterior, matando 26 soldados, a OTAN não recebeu nenhuma punição.

No caso do Irã, é compreensível que a UE imponha sanções contra o Irã. Mas, a China não tem nenhuma obrigação de estragar a situação sobretudo quando a UE e os EUA fazem tentativas de tomar a oportunidade de derrubar o Irã dos seus próprios interesses.

O Irã é um país Islâmico com um modelo democrático, mas a sua paixão religiosa ardente recebeu pouca compreensão e respeito do Ocidente durante algum tempo. Os conflitos vieram aumentando por causa da relutância nacional em receber ordens do Ocidente, que quer o Irã obedecendo as suas regras. Um país de 70 milhões de pessoas no Oriente Médio, o Irã gosta do direito de viver um caminho diferente do Ocidente, apenas se em conformidade com a vontade da sua gente.

A China firmemente se opõe ao desenvolvimento de armas nucleares do Irã, mas só imporá sanções contra as suas indústrias e pesquisas relacionadas ao enriquecimento nuclear na condição de que alguma evidência explícita seja encontrada.

Para a China, o perigo de um Irã que desenvolve armas nucleares é paralelo aos esforços do Ocidente em tombar o Irã em nome das armas anti-nucleares.

O Ocidente sofre de uma recessão econômica, mas os seus esforços para derrubar governos não-ocidentais devido a política e interesses militares culminam. A China, bem como a sua enorme vizinha Rússia, devem continuar em alerta máximo e adotar medidas defensivas se necessário.

A China não deve encolher-se antes de uma prova final possível com o Ocidente mas buscar uma solução que favoreça a si mesma. A China adotará medidas concretas para mostrar a sua determinação de tomar o seu próprio caminho. Tal escolha é importante para os interesses da China.

Fonte: http://globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=28012
Postar um comentário