Pesquisar este blog

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Os EUA admitem que o Irã não está desenvolvendo uma arma nuclear

 

 Oficialmente, a América está agora falida: financeiramente, economicamente, politicamente - e moralmente. Sua agressão criminal em relação ao Irã é apenas uma das muitas peças de um quebra-cabeça que se somam a uma imagem clara e grotesca do que os Estados Unidos da América representam hoje no mundo do século 21.

 Os números e as imagens para as partes que constituem este quebra-cabeça odioso são bem conhecidos. Mas o que tornou-se notoriamente claro é o quão integrado à imagem oficial dos EUA é agora. Falência.
     Em dívida terminal, pobreza em massa a níveis recordes, um militarismo desenfreado, restrições draconianas sobre as liberdades civis, o governo dos ricos para os ricos, e ultimamente o reacionário, a aviltada luta de gato ocorrendo durante o debate político entre os candidatos republicanos à Presidência. Servilismo é a visão dos super políticos de carreira ricos jogando areia nos olhos um do outro para escalar o pólo de uma ainda mais pessoal acumulação de capital; perturbador é o caminho mais fácil do apontamento psicopático de encontrar alvos inimigos imaginados, seja em casa ou no exterior, que é usado como um distintivo de honra. Esse é um sinal do quão depravada a mente política norte-americana ficou, quando até os futuros presidentes podem falar tão abertamente de como a política externa será conduzida em termos de agressão internacional, sem questionamentos.
     Claro, esse tipo de falência política e moral não se limita àqueles que procuram assumir o cargo. É a moeda daqueles que já estão no cargo.
      Em um relatório no New York Times de segunda-feira (09 / Jan / 2012) temos a confissão alarmante que, em conjunto, mostram que o governo dos EUA devem ser certificados como criminosos (se a prova fosse necessária) [1].
      Primeiro temos o homem militar superior dos Estados Unidos que confirma que os planos de guerra a muito tempo asseverados contra o Irã de fato estão progredindo.
     O NYT: "Quando lhe perguntaram no programa televisivo [ da CBS] Face da Nação sobre o quão difícil seria para tirar a capacidade nuclear do Irã em um ataque militar, o general Martin Dempsey, o presidente do Joint Chiefs of Staff, disse: 'Bem, eu prefiro não discutir o grau de dificuldade e de qualquer modo incentivar todos a lerem qualquer coisa sobre isso. Mas vou dizer que a minha responsabilidade é a de incentivar o grau certo de planejamento, compreender os riscos associados a qualquer tipo de opção militar, em alguns casos para posicionar ativos, e fornecer essas opções em tempo hábil. E todas essas atividades estão acontecendo. "
     Em outras palavras, os EUA estão se preparando para a guerra.
    Ironicamente, no extenso artigo acima sobre a abertura iminente da segunda usina de enriquecimento de urânio em Qom no Irã, localizada sob uma montanha e invencível ao ataque, o New York Times revelam, no fundo das dobras de seus parágrafos o profundo reconhecimento do General Dempsey talvez numa tentativa de tornar invencível o ataque para os leitores sãos. Concedida a conversa beligerante do Comandante-em-Chefe dos EUA, Barack Obama, e sua administração, de todas as opções sobre a mesa, algo assim se tornou tão rotineiro aos editores do NYT, provavelmente já acostumamos a consentimentos criminais, e por isso não acho que tenham considerado dar mais atenção que um parágrafo final.
     Mas aqui está a segunda parte da equação que soma à criminalidade definitiva.
     Na mesma história, o New York Times cita o Secretário da Defesa dos EUA, Leon Panetta, fazendo o que deve ser uma confissão surpreendente: que o Irã não tem um programa de armas nucleares.
     Panetta disse: "Eles [Irã] estão tentando desenvolver uma arma nuclear? Não."
     Panetta, que finalmente admite o que muitas pessoas em todo o mundo sabem que é verdade, incluindo as agências de inteligência americanas em pelo menos duas  Estimativas da Inteligência Nacional dos EUA em 2007 e 2010 - ou seja, que o Irã não está tentando desenvolver uma arma nuclear, deveria ser uma manchete de primeira página. Especialmente quando tomadas em conjunto com a divulgação do General Dempsey, de que os planos de guerra estão em andamento. De ter admitido ele próprio, portanto, o governo dos EUA está empurrando o mundo para, possivelmente, um cenário de Terceira Guerra Mundial, com base em uma alegação totalmente falsa que até mesmo o seu próprio alto escalão não acredita.
     Refletindo a falência que tem corroído a fundação política dos EUA está a maneira com que o New York Times - auto-intitulado o principal jornal da América - tem deslizado sobre essas pepitas de auto-acusação, como se fossem banalidades inúteis.
     Portanto, se o Irã não está mesmo a tentar desenvolver uma arma nuclear, como admite agora Panetta, em que então se baseia as intenções bélicas criminosas dos EUA?
     Extra-oficialmente, o motivo real é a rivalidade imperialista com outras potências (Rússia e China em particular) nas áreas ricas em energia do Golfo Pérsico e da Ásia Central, e a tentativa de forçar uma "mudança de regime" no Irã para que seja flexível com os projetos geopolíticos de Washington.
     Oficialmente, pelo que vale a pena, parece agora que os EUA tem sido infeliz, mesmo com a mera suspeita de que o Irã talvez, apenas talvez, possa um dia ser capaz de desenvolver capacidade nuclear.
     Este é o lugar onde os fatos podem ser úteis. Como signatário do Tratado de Não-Proliferação Nuclear, o Irã tem o direito legal de desenvolver a capacidade nuclear para fins civis. Isto é o que o Irã repetidamente diz que tem feito e o que inúmeras inspeções da ONU de instalações ao longo dos anos, incluindo a nova planta em Qom, têm verificado. O enriquecimento do urânio constitui a "capacidade nuclear" e é uma parte essencial do aproveitamento da energia nuclear para a energia civil. O Irã deve ser felicitado por essa conquista apesar de anos de sanções gratuitas por parte dos EUA de seus aliados ocidentais.
     Mas a maneira como o governo dos EUA e seus aliados ocidentais colocam-na, a capacidade nuclear do Irã legítima é feita para soar como uma ameaça diabólica.
     Panetta novamente: "Mas nós sabemos que eles estão tentando desenvolver uma capacidade nuclear. E é isso que nos preocupa. "
     Os Estados Unidos podem lançar armas nucleares contra civis, possuem até 10.000 ogivas nucleares, ofertar aos seus aliados essas armas ilegalmente e continuar a violar o propósito do Tratado de Não Proliferação Nuclear por não desarmar o seu arsenal nuclear - ainda assim, se um país usa as disposições do TNP legitimamente persegue a capacidade nuclear, então se sente insultado e faz um alvo para uma guerra ilegal de agressão, muito provavelmente com armas nucleares.
     Esta é a política depravada que se vira contra estrangeiros - que emana supostamente do governo mais democrático do mundo.
     Dessa forma, luta de gato entre Romney e o indecoroso Partido Republicano é apenas um sintoma do cronicamente falido corpo político que é o governo americano no século 21.

Autor: Finian Cunningham, correspondente de Global Research do Oriente Médio e África Oriental

Fonte: http://globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=28560
Postar um comentário