Pesquisar este blog

sábado, 30 de junho de 2012

Mercosul se Amplia em meio a dissensões



                         Fonte:  http://www.suapesquisa.com/mercosul/mapamercosul.jpg

Mercosul aceita entrada da Venezuela e suspende Paraguai até 2013

Por Guido Nejamkis
MENDOZA, Argentina, 29 Jun (Reuters) - A Venezuela se tornará o quinto membro pleno do Mercosul no fim de julho, afirmou a Argentina nesta sexta-feira, somando as maiores reservas mundiais de petróleo a uma área integrada por alguns dos principais produtores globais de alimentos, enquanto o Paraguai permanecerá suspenso até 2013.
     A adesão, que segundo analistas evidencia outra vez a perda de poder relativo dos Estados Unidos na América do Sul, foi anunciada pela presidente argentina, Cristina Kirchner, no fim da cúpula de mandatários do bloco integrado também por Brasil, Uruguai e Paraguai.
     Também foi decidido adotar a resolução de fixar a data para a incorporação ao Mercosul da República Bolivariana da Venezuela que acontecerá em 31 de julho no Rio de Janeiro", disse a presidente na cúpula realizada em Mendoza, na Argentina.
     Também foi ratificada a decisão do Mercosul de suspender os direitos políticos do Paraguai no bloco em represália à decisão do Congresso paraguaio de destituir o presidente Fernando Lugo.
     O país, que não será alvo de sanções comerciais, não recuperará a sua participação no bloco "até que aconteça o processo democrático que instale justamente nesse querido país a soberania popular, ou seja, eleições livres e democráticas", disse Cristina. O Paraguai terá eleições gerais em abril de 2013.
     Mais tarde nesta sexta-feira, o bloco de nações sul-americanas Unasul também decidiu excluir o Paraguai até que se restaure a ordem democrática que, segundo o grupo, se perdeu.
     A Venezuela, integrante da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e governada por Hugo Chávez, estava pronta há mais de seis anos para ingressar no bloco econômico sul-americano, mas o Congresso paraguaio mantinha essa possibilidade bloqueada.
     Chávez comemorou a decisão, garantindo que constitui "uma derrota para o imperialismo" e "burguesias lacaias, incluindo a burguesia venezuelana que também conectada com a burguesia do Paraguai fez todo o possível para impedir a entrada da Venezuela no bloco".  
     A suspensão do Paraguai do Mercosul pela destituição do presidente Lugo permitiu que Argentina, Brasil e Uruguai decidissem pela entrada da Venezuela no bloco.
     O Paraguai rejeitou a decisão de o Mercosul admitir a Venezuela. "O governo deplora que outros Estados tenham sancionado o governo e o Estado paraguaio para incorporar um novo membro", disse em Assunção o chanceler do Paraguai, José Felix Fernández Estigarribia.
     A presidente Dilma Rousseff disse que espera que as eleições paraguaias sejam "democráticas, livres e justas".
     Ela acrescentou que o Mercosul ainda é "uma das regiões do mundo menos afetadas pela crise" econômica global. Também indicou que no mundo "a segurança alimentar e energética têm cada vez mais relevância".
SINAL PODEROSO, MAS POLÊMICO
     Um diplomata da região disse à Reuters que com a Venezuela, o bloco incorporará uma economia de peso, fortemente demandante e importadora de todo tipo de bens, especialmente alimentos, e serviços, o que tornará sua economia mais conectada com Brasil e Argentina.
     A secretária-executiva da Comissão Econômica para América Latina e o Caribe (Cepal), Alicia Bárcena, considerou a adesão venezuelana ao Mercosul como um sinal muito poderoso.
     "O Mercosul tem um terço das reservas de água do mundo, um terço das terras cultiváveis, mais de 45 por cento da produção de soja. É uma região muito forte e agora com a integração da Venezuela há expectativa que a integração energética possa ser maior no futuro", disse Bárcena.
     O analista internacional Jorge Castro, do Instituto de Planejamento Estratégico da Argentina, considerou que o anúncio da incorporação da Venezuela põe novamente em evidência a perda de poder relativo dos Estados Unidos na América do Sul.
      Mas o deputado uruguaio Daniel Peña, opositor do governo e quem integrou uma delegação de parlamentares em Mendoza, criticou a entrada da Venezuela no Mercosul.
     "A Venezuela entra no bloco pela janela. Agora se entende porque suspenderam o Paraguai. É uma bagunça e com legalidade duvidosa", disse Peña a repórteres.
     Antes de anunciar a adesão venezuelana, os presidentes do Mercosul fizeram uma análise jurídica da situação, acompanhados de autoridades de organismos especializados.
     O bloco também concordou que convocará uma reunião com autoridades chinesas para "explorar conjuntamente mecanismos e ações para aumentar e facilitar o intercâmbio comercial".
     A decisão acontece depois que o primeiro-ministro da segunda economia mundial, Wen Jiabao, disse que desejava avançar no acordo de livre comércio com o bloco.
(Reportagem adicional de Ana Flor, em Mendoza, de Andrew Cawthorne, em Caracas, e de Daniela Desantis, em Assunção)
Fonte: Reuters  http://br.reuters.com/article/topNews/idBRSPE85S06920120630
Postar um comentário