Pesquisar este blog

segunda-feira, 23 de julho de 2012

MK Bhadrakumar: Índia apoia Ocidente na crise Síria

          http://veja0.abrilm.com.br/assets/images/2010/6/3084/mumbai-atentados-afp-620-size-598.jpg?1275689536

Rússia e China vetaram a Resolução sobre a China patrocinada por EUA, França, Alemanha e Portugal no Conselho de Segurança da ONU. Não surpreende, posto que Moscou e Pequim mantêm-se coerentes na oposição a qualquer forma de mau uso ou má interpretação deliberados que as potências ocidentais deem a mandado do CS, para tentar justificar uma eventual intervenção militar na Síria – como aconteceu na Líbia há um ano.

     A posição de russos e chineses manifesta eloquentemente que a crise síria só pode ser resolvida pelos sírios, ficando o papel da comunidade internacional limitado a facilitar a organização de um diálogo nacional dos sírios com os sírios, entre grupos sírios e governo.
     O mais recente veto de russos e chineses foi provocado pelo projeto de resolução dos países ocidentais, que invocavam o Capítulo 7º da Carta da ONU, que permite que o CS autorize ações que vão de sanções econômicas e diplomáticas a intervenção armada. Evidentemente, se aprovada, a resolução teria aberto as portas para uma intervenção pelo ocidente, à moda do que o ocidente fez contra a Líbia, dessa vez contra a Síria.
      O que estarrece é que alguém tenha apoiado o Ocidente, na crise síria. A Índia, porque sou indiano, assumiu posição muito dúbia, para justificar seu voto – a saber, que o voto indiano a favor da Resolução teria o objetivo de “facilitar uma ação unida do Conselho de Segurança em apoio ao Enviado Especial Conjunto [Kofi Annan]”. É argumento falacioso, viciado de sofismas.
      A justificativa do voto, lido pelo embaixador Hardeep Puri há algumas horas, no Conselho de Segurança, finge que não sabe que o projeto ocidental invocava o Capítulo 7º da Carta da ONU. Em resumo, a Índia fugiu da questão central, escapou por uma saída lateral e, afinal, na realidade, votou a favor da Resolução.
      Esse voto não é coerente com a oposição da Índia a intervenções militares onde se trate de resolver conflitos internos. Até há pouco tempo, a Índia ter-se-ia oposto com unhas e dentes a qualquer movimento de intervenção militar estrangeira, na região disputada da Caxemira. O voto da Índia é especialmente controverso, porque a comparação com a Líbia aí está à vista de todos, e o que aconteceu na Líbia depois da intervenção da OTAN foi um banho de sangue.
      A Índia tampouco pode ignorar que, como na Líbia, a agenda ocidental é “mudança de regime” na Síria; e as condições de guerra civil que o país enfrenta foram e continuam a ser orquestradas por ação clandestina de agentes de vários países.
      Por que a Índia assumiu essa posição flagrantemente desonesta, contra todos os princípios nacionais e tão altamente oportunista? A resposta é simples: a Índia quer posicionar-se “do lado certo da história”, como diria a Secretária de Estado Hillary Clinton. Em palavras claras, a Índia optou por se posicionar no eixo EUA-Israel-Arábia Saudita-Qatar, na geopolítica do Oriente Médio.
     Talvez nunca saibamos o que realmente explica essa negociata faustiana – a menos, talvez, que haja alguma mudança de governo depois das eleições gerais de 2014 – dados os abismais níveis de corrupção hoje vigentes na vida pública, sob o governo do Primeiro-Ministro Manmohan Singh. Por hora, basta saber que a posição da Índia não foi motivada por nenhum tipo de ideologia. Ironicamente, tudo isso acontece num momento em que os “especialistas” e a imprensa do establishment proclamam que a Índia teria (re)inventado um “Não Alinhamento.2”.
      Indispensável, aqui, uma nota de rodapé. Os dois países que se abstiveram de votar no CS foram África do Sul e Paquistão. Significa que, dos cinco países BRICSs atualmente representados no Conselho de Segurança da ONU, a Índia é estarrecedora exceção, no identificar-se com o projeto de resolução cerebrado pelo ocidente, para a Síria. A abstenção do Paquistão explica-se por princípios: o país não pode aprovar que se faça contra a Síria o que não quer ver feito contra ele mesmo. A Índia deveria ter-se abstido de votar, como o Paquistão.
      Se acontecer uma intervenção ocidental na Síria, como parece ser cada dia mais provável, a Índia terá sangue nas mãos – e no que ainda lhe reste da consciência de civilização milenar que conheceu os horrores do mando colonial.

MK Bhadrakumar* foi diplomata de carreira do Serviço Exterior da Índia. Prestou serviços na União Soviética, Coreia do Sul, Sri Lanka, Alemanha, Afeganistão, Paquistão, Uzbequistão e Turquia. É especialista em questões do Afeganistão e Paquistão e escreve sobre temas de energia e segurança para várias publicações, dentre as quais The Hindu, Asia Online e Indian Punchline. É o filho mais velho de MK Kumaran (1915–1994), famoso escritor, jornalista, tradutor e militante de Kerala.

Fonte Redecastorphoto. Traduzido pelo Coletivo de Tradutores da Vila Vudu
 http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=189032&id_secao=9
Postar um comentário