Pesquisar este blog

domingo, 12 de agosto de 2012

Rússia pode deixar de apoiar o Irã


 
Uma fonte no governo russo ressaltou que Moscou pretende lutar firmemente pela revisão destas reclamações, cujo valor, falando a propósito, constitui nem mais, nem menos, 4 bilhões de dólares, o que corresponde aproximadamente a um terço da receita anual da Rússia com a venda de armas.
A demanda judicial de Teerã, apresentada ao Tribunal de Arbitragem de Genebra, foi uma surpresa inesperada e desagradável para Moscou, um dos poucos aliados do Irão. A diplomacia russa trava já vários meses conversações com as autoridades iranianas sobre a retirada da demanda. Se o Irã adotar uma posição rígida nesta questão, corre o risco de ficar no isolamento internacional, enquanto que a imagem da Rússia continuará intacta, afirma o coronel reformado Oleg Kulakov, pesquisador convidado do colégio da NATO em Roma.
"O próprio fato de apresentação da demanda contra a Rússia é um jogo de Teerã à beira do risco, pois a Rússia continua um dos poucos países que apóiam o Irã em certas questões. Aí existe a questão relacionada ao Próximo Oriente, em que a Rússia pode adotar certas posições juntamente com Teerã. Esta coincidência de posições não existe sempre mas agora a respectiva “abertura” existe. Nestas condições, Teerã não está absolutamente interessada em armar uma briga com a Rússia."
O perito Kulakov encara a decisão do Irã de mover uma demanda contra Moscou como um grande êxito dos recursos do lobby ocidental no Irã, empenhado em provocar um briga entre Moscou e Teerã.
"Está perfeitamente claro que o Ocidente leva a cabo seu próprio jogo aproveitando suas possibilidades na direção do Irã. Portanto, verifica-se a intenção de “apartar” a Rússia do Irã ou o Irã da Rússia. E desta vez foi um lance bem-sucedido feito com as mãos de Teerã. O tribunal aceita a demanda para o exame nas condições de sanções em vigor. Nesta situação, a Rússia fica - no plano jurídico e político - como que entre dois fogos."
A soma reclamada da demanda também não pode deixar de pasmar. A compensação de quatro bilhões de dólares é dividida em componentes que caso Teerã ganhar a causa em Genebra serão transferidos para o Irã, afirma a perita do Instituto de Estudos Orientais Irina Fedorova.
"A demanda de 4 bilhões de dólares é constituída por somas totalmente diferentes. O valor do próprio contrato, certa de 900 milhões de dólares, isto é, cerca de um bilhão, e o adiantamento, que a Rússia tinha recebido do Irã, foram devolvidos na íntegra. Os demais três bilhões, que constam na soma da demanda, incluem, em primeiro lugar, as despesas com que o Irã teve que arcar por causa da revogação de contratos a partir de quase 1996. Esta soma inclui certas obras preparatórias, que o Irã teria levado a cabo de fim de instalar os S-300 e o prejuízo moral, avaliado em quase um bilhão de dólares. Por isso, mesmo se esta demanda for examinada no tribunal de Genebra, não se pode afirmar que o Irã receba todas estas somas."
Fazemos lembrar que uma resolução do Conselho de Segurança da ONU proíbe fornecer a Teerã certos tipos de armamentos. Foi precisamente em conformidade com esta decisão que o Presidente da Rússia proibiu fornecer ao Irã os complexos balísticos S-300, o que provocou um grande descontentamento por parte das autoridades iranianas. Em maio de 2011 Teerã entrou no Tribunal Internacional de Genebra com demanda a respeito da idoneidade desta decisão de Moscou.
Postar um comentário