Pesquisar este blog

domingo, 13 de janeiro de 2013

Os novos voos militares da Alemanha


Parece uma confirmação das teses do Prof. José Luís Fiori, segundo as quais a expansão capitalista sempre anda pari passu com a expansão militar (presença ou influência).

Uma suave rotação (como quase tudo neste país, trata-se de algo “lento, seguro e gradual”) vem se processando na Alemanha, em termos de estratégia militar.

Em maio de 2010 o então presidente Horst Köhler deu uma declaração afirmando que um país do porte da Alemanha precisava reconhecer a necessidade de deslocamentos militares para proteger rotas comerciais ou para prevenir instabilidades regionais que poderiam “influir negativamente sobre nosso comércio, nossos empregos e nossas rendas”.

Agência Efe (06/01)

A chanceler alemã Angela Merkel 

Até hoje se discute o que, exatamente, o então presidente tinha em mente: se a intervenção no Afeganistão, se a pirataria na costa da Somália, ou ainda algum outro caso não previsto. O fato é que a declaração despertou um bombardeio crítico, por misturar comércio e intervenção militar, que desgastou e desgostou o presidente. Köhler renunciou, sendo substituído por Christian Wulff que terminaria também por renunciar quase dois anos mais tarde, em fevereiro de 2012.

Muita água rolou debaixo dessas pontes desde então. No presente, seis mil soldados alemães participam de operações militares no exterior, concentrados no Afeganistão, no Kosovo, no Líbano e no chamado “Chifre da África”, a região que compreende os países do Djibuti, Eritréia, Etiópia e Somália. Na semana passada o Bundestag discutiu e aprovou a possibilidade do envio de mais 400 militares à Turquia, para operarem duas baterias de mísseis Patriot, sob o argumento de defender a região diante do agravamento do conflito na Síria. Mas é inegável que a proximidade com o Irã faz pensar numa outra possibilidade "defensiva/ofensiva" também.

Num momento em que, com a crise do sistema financeiro e das dívidas soberanas, os orçamentos militares vêm encolhendo em toda a Europa até a fronteira com a Rússia, a Alemanha, que se afirmou cabalmente como a maior potência econômica da região, vem também assumindo mais e mais a responsabilidade militar no continente. Na semana que passou o chefe do Estado Maior sueco, General Sverker Goransson, deu controvertida declaração segundo a qual seu país, diante de um ataque militar, teria capacidade apenas para uma semana de defesa.

Tal declaração pode ter o alvo de aumentar o orçamento militar. Mas espelha um temor muito concreto por parte do setor, na Europa, diante do poderio russo. A Rússia vem se rearmando significativamente, depois da débâcle, décadas atrás, do finado Exército Vermelho no Afeganistão.

A verdade é que, mesmo em termos de armamento convencional (não-nuclear), pouco há na Europa que possa fazer frente ao armamento russo: talvez apenas as forças aéreas do Reino Unido, da França, da Alemanha e talvez da Itália, combinadas. A principal barreira militar europeia continua sendo a força da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte), para a qual os Estados Unidos contribuem com 46% do orçamento. O caso é considerado tão grave que provocou até um editorial do Le Monde (05/01) alertando para a “perda da autonomia militar” europeia.

Mas a nova "ofensiva militar" alemã não se restringe às forças armadas em sentido estrito. A Alemanha já é hoje o terceiro país exportador mundial de armamentos, atrás somente dos EUA e da Rússia. As exportações alemãs se dirigem sobretudo para os países da OTAN, Israel e agora também os países árabes, inclusive para um dos regimes mais autoritários da região, o da Arábia Saudita.

O governo alemão aprovou exportações de armamentos no valor de mais de 10 bilhões de euros em 2011. Parte disso seguiu sob a forma de 200 carros de combate Leopardo para a Arábia Saudita. O setor emprega 80 mil trabalhadores na Alemanha, e a chanceler Angela Merkel está disposta a defendê-lo armada até os dentes, sobretudo num ano eleitoral como este de 2013.

Esse ressurgimento do setor militar alemão das cinzas da II Guerra – mas também das cinzas da Guerra Fria – está longe ainda de provocar calafrios como aqueles dos conflitos mundiais do século passado. Mas traz em seu bojo uma mensagem sutil de profunda preocupação. Como várias mídias apontaram, enquanto o Bundestag discutia o envio dos 400 militares à Turquia, apenas meia dúzia de gatos pingados se reuniam para protestar no vizinho Portão de Brandemburgo. Isto seria impensável uma década atrás, quando o espaço seria ocupado por milhares de pessoas.

Desde que o Partido Verde, então no governo, participou da autorização para o envio de tropas alemãs ao Afeganistão, no começo do século, dentre os partidos políticos com representação no Bundestag, apenas a Linke tem mantido uma posição sistemática contra intervenções militares e uma oposição à OTAN. Para completar o quadro, a Suprema Corte alemã autorizou, recentemente, o deslocamento de tropas do Exército dentro do país em casos excepcionais de segurança nacional, como ataques terroristas, por exemplo. E desde 2001 o recrutamento obrigatório para o Serviço Militar foi “suspenso” (não se votou sua eliminação) em nome da “profissionalização” das Forças Armadas.

Decididamente, uma nova Alemanha alça voo no horizonte do armamento mundial.

Flávio Aguiar é correspondente internacional da Carta Maior em Berlim.
http://operamundi.uol.com.br/conteudo/opiniao/26526/os+novos+voos+militares+da+alemanha.shtml 
Postar um comentário