Pesquisar este blog

domingo, 10 de novembro de 2013

Impasse sobre acordo com Irã mostra influência da França - Reuters





Por John Irish
PARIS, 10 Nov (Reuters) - A linha dura da França em negociações de grande potência com o Irã pode frustrar aqueles que procuram um acordo inicial sobre o programa nuclear de Teerã, mas está ajudando Paris a selar novas ligações estratégicas com países do Golfo e Israel.
O ministro das Relações Exteriores, Laurent Fabius, surgiu logo após a meia-noite depois das negociações de sábado, em Genebra, para insistir que era necessário mais trabalho para eliminar o risco de uma bomba nuclear iraniana, irritando os aliados ocidentais, que acreditavam que eles estavam à beira de um acordo que iludiu os negociadores por uma década.
Embora a decisão do presidente François Hollande para posar para uma oportunidade de foto com o presidente iraniano, Hassan Rouhani, na Assembleia Geral da ONU, em setembro, levantou preocupações em Israel, e as autoridades francesas foram rápidas em insistir que a sua posição de negociação ficaria difícil.
Fabius salientou então que o Irã deve suspender a construção de seu reator de água pesada de Arak e suspender o enriquecimento de urânio para uma concentração de 20 por cento para ganhar um abrandamento das sanções internacionais que estão estrangulando sua economia.
Essas foram as mesmas exigências que citou no início do último dia de negociações no sábado, quando ele insistiu que a França não poderia aceitar um "jogo de otários" e entregar ao Irã uma vitória barata.
"Nós não mudamos a nossa posição. Ela sempre foi clara e constante", disse uma fonte diplomática francesa. "Se a percepção da Arábia Saudita e Israel é de que os Estados Unidos estão mais inclinados para um acordo sem firmeza, esta é análise deles - mas a nossa posição tem sido sempre a mesma".
Postar um comentário