Pesquisar este blog

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Não, isto não é um porta-aviões

Pelo menos esta é a declaração oficial do governo do Japão sobre o ‘contratorpedeiro de convés corrido’ Izumo


izumo_dm_130806_16x9_992
O mais novo navio da Força Marítima de Auto-Defesa do Japão (MSDF em inglês) tem um convés de voo em toda a sua extensão e é quase do tamanho de porta-aviões que participaram em 1941 do ataque a Pearl Harbor, como o Shokaku e o Zuikaku, mas o Japão insiste que ele não é um porta-aviões.
Com um comprimento de cerca de 250 metros e deslocamento padrão de 19.500 toneladas, o Izumo é o maior navio da frota. Até nove helicópteros podem pousar em seu convoo ao mesmo tempo .
Mesmo assim, o Ministério da Defesa e a MSDF insistem que o Izumo, que foi lançado no verão passado, é simplesmente um contratorpedeiro (destróier) capaz de transportar helicópteros.
A imprensa na China e na Coreia do Sul comentaram jocosamente  na época do lançamento , que o Izumo um “semi porta-aviões” e evidência de uma inclinação para a direita nas políticas japonesas.
O jornalista Militar Shinichi Kiyotani disse: ” Segundo as normas internacionais, trata-se de um porta-aviões. O governo está se expandindo gradualmente a sua interpretação, porque está com medo de que isso pode se tornar um problema político”.
Por sua parte , a mais recente versão do Jane’s Fighting Ship , um livro de referência sobre todos os navios de guerra do mundo divulgado anualmente na Grã-Bretanha , descreve o Izumo como um porta-helicópteros.
O Izumo está programado para substituir o contratorpedeiro Shirane, atualmente baseado na base naval da MSDF em Maizuru, região de Quioto, na primavera de 2015. O Shirane tem um deslocamento padrão de 5.200 toneladas.
A MSDF já tem outros dois contratorpedeiros de convés corrido com deslocamentos padrão acima de 10.000 toneladas: o Hyuga e o Ise. Outro navio do mesmo tamanho do Izumo também está em construção, ou seja, a MSDF acabará por manter quatro dos navios de grande porte.
O Programa de Defesa aprovado pelo Conselho de Ministros de Abe em dezembro passado colocou os quatro contratorpedeiros de convés corrido como nau capitânia.
Alguns navios são definidos por seu dever , como submarinos e navios de transporte. No entanto, todos os grandes navios de superfície , cuja principal missão é combater relacionada são definidos como contratorpedeiros.
Katsutoshi Kawano , o chefe de gabinete da MSDF , disse: “Nos termos da lei, não há outra maneira de se referir ao navio, mas como um contratorpedeiro”.
O governo emitiu uma declaração em 1988 que inclui porta-aviões. O documento afirma que as Forças de Auto-Defesa do Japão (SDF) não podem possuir mísseis balísticos intercontinentais , bombardeiros estratégicos ou porta-aviões de ataque.
Com a manutenção de uma postura exclusivamente defensiva, porta-aviões como os usados ​​pela Marinha os EUA, que são capazes de projetar poder a partir do mar contra alvos terrestres com seus jatos de combate, não foram considerados favoráveis ​​a essa política.
Funcionários do Ministério da Defesa disseram que não há planos para o Izumo operar caças. Ao contrário, eles insistiram que o Izumo é um navio de propósitos múltiplos que vai ser usado para lidar com catástrofes naturais ou de operações internacionais de resgate de emergência.
Para responder às preocupações de que o Izumo pode operar com caças que pousam verticalmente , como o F-35B , um alto funcionário do Ministério da Defesa disse: “A modificação é possível, mas realisticamente ela é difícil, pois  exigiria enormes quantidades de tempo e dinheiro, incluindo a compra dos jatos e o treinamento do pessoal necessário”.
Desde o fim da II Guerra Mundial , uma das principais missões do MSDF é trabalhar em conjunto com a Marinha os EUA para procurar e destruir submarinos inimigos.
Essa missão mantém-se inalterada , uma vez que a China e outras nações vizinhas têm expandido suas frotas de submarinos.
Contratorpedeiros da geração anterior desenvolvidos pela MSDF só podiam levar entre um e três helicópteros anti-submarinso com os sensores e torpedos necessários para detectar e destruir as forças potencialmente hostis.
No entanto, decidiu-se que o número de helicópteros por navio seria aumentado e reparos poderiam ser feitos a bordo, missões de busca e destruição seriam mais eficientes, ampliando seu escopo e sua duração.
Yoji Koda , que uma vez serviu como comandante da Frota de Auto-Defesa , disse que “o Izumo é um navio que é fundamentalmente diferente de um porta-aviões . Se a necessidade de um porta-aviões for considerada necessária no futuro, ele só deve ser construído após explicar ao público a sua razão de existir.”
Os fundos para o projeto e construção do Izumo foram originalmente definidos pelo Partido Liberal Democrático no ano fiscal de 2010. O lançamento veio depois de o primeiro-ministro Shinzo Abe voltar ao poder após o triunfo eleitoral do PLD sobre o Partido Democrático do Japão, em dezembro de 2012.
FONTE: Asahi Shimbun (tradução e adaptação do Poder Naval a partir do original em inglês)
Postar um comentário