Pesquisar este blog

quinta-feira, 19 de julho de 2012

A Síria rumo ao colapso

                             http://f.i.uol.com.br/fotografia/2012/03/17/133698-970x600-1.jpeg

Não há mais chance de paz e estabilidade na Síria. A partir de agora, é o caos
     O atentado de ontem que matou o ministro da Defesa da Síria, Dawoud Rajha, e o cunhado de Bashar al Assad, Assef Shawkat, não foi apenas uma vitória para os opositores. Mais importante, esta ação fez desmoronar quatro décadas de suposta estabilidade e segurança do regime do Partido Baath.
     Muitos sírios, mesmo não gostando de Assad, o achavam a melhor solução para manter a nação estável em uma vizinhança circundada por guerras civis como a do Líbano nos anos 1980 ou a do Iraque na década passada. Em Damasco, a vida seguia normalmente, em paz, com uma segurança imposta pelo regime ditatorial.
     Mesmo com os levantes, na capital síria e também em Aleppo havia uma sensação de bolha. Os choques em Homs e Idlib pareciam distantes, sem afetar a vida dos cidadãos. O medo era de que o caos do interior chegasse às grandes cidades. Por mais odioso que fosse, o regime de Assad dava a segurança de que os combates estavam distantes para uma maioria silenciosa.
     Os choques em bairros da cidade e acima de tudo os atentados, porém, fizeram ruir o pilar de suposta estabilidade do regime. Agora não é Assad ou o caos. É o caos, apenas, e o regime ditatorial não serve mais para nada. A população de Damasco e Aleppo, especialmente os sunitas, vêem nele um obstáculo para o futuro do país.
     O problema é que outros suportes do regime permanecem quase intactos. Assad certamente perde a maioria silenciosa sunita, mas ainda conta com o apoio quase incondicional dos alauítas e dos cristãos. Estes vêem o cenário entre caos com Assad e possível aniquilação de suas comunidades se o regime for deposto.
     Antes, a luta deles, assim como a do regime, era para eliminar a oposição. Agora passou a ser de vida ou morte. Usarão todas as suas armas para tentar vencer os opositores, apesar de a tendência do conflito apontar na direção de que a vitória acabará com os inimigos de Assad.
     O tempo já passou. Não há mais chance de paz na Síria. Agora será guerra civil e praticamente esfacelamento do Estado no médio prazo, com divisões sectárias. A Síria virou seus vizinhos Iraque e Líbano.
Fonte: O Estado de São Paulo
Postar um comentário